quinta-feira, agosto 27, 2009

Parar e olhar: eis o Caminho

Parei um minuto para olhar para o mundo. Depois de tanto procurar "não sei o que", dei um tempo pra mim mesmo e olhei. A maneira que me coloquei não permitia aferir em uma direção apenas. Parece que girei junto com a Terra, descobrindo aquilo que não é. Só deu pra perceber a dificuldade de parar. Só deu pra notar minha pouca habilidade em olhar pra dentro, porque a imagem que vem de fora, antes necessita de se encontrar aqui dentro. Do contrário, as coisas são apenas objetos inanimados que escarnecem da estupidez da nossa agitação.

É a inércia do corpo que dá movimento às coisas, porque o olho só focaliza quando o corpo deixa. É a sincronia da vida, o passo que se dá depois do outro e só. Enquanto continuarmos no compasso da marcha fúnebre deste século, a direção para ser caminhada será apenas o chão que repousa nossos pés. Nossa existência se resumirá em puxar o oxigênio deste ar impuro e expirar todo "cê-ó-dois" sem graça nem brilho. Quero assim, parado, enxergar o rumo do caminho que me escolheu pra andar.

Quero assim, olhando, encontrar o ritmo do próximo passo que devo caminhar. Alguém me disse uma verdade que vale a pena destacar, que nesta caminhada não importa a velocidade de andar, apenas o rumo, a direção. O Caminho já temos. Basta prosseguir!

sexta-feira, julho 17, 2009

Dia de nadar



Largue tudo porque hoje é dia de nadar!
O lindo lago não admite pesos.
Pois rejuvelecer é desnudar cada parte de si e se jogar.
E nadar!

Cada braçada representa o alívio da alma!
O frescor das águas calmas que movimenta lá dentro.
Renascer é perceber que viver é nadar.
E girar!

Deixar o corpo ser levado pelas aguas!
O gostoso da brincadeira é sentir-se ir.
Pra conhecer a suavidade das águas cálidas.
E cantar!


* Inspirado no Lindo lago do amor de Gonzaguinha

segunda-feira, junho 01, 2009

Minha confissão


Sou fascinado pelo futuro. Minha insegurança quanto ao presente me faz olhar pra frente com um foco preciso. Isso tem seu lado bom, pois me planejo bem diante das oportunidades que estão diante de mim. Consigo antecipar as demandas que me vêm a mente. Mas isso também tem seus problemas, sobretudo, a tristeza de perceber que nem tudo ocorre do jeito que eu quero. Parece que esse tipo de decepção nos declina para uma posição bem inferior quando comparada aos nossos planos e sonhos. É a falência do homem, é a morte das nossas decisões limitadas.

Olhar para o futuro sem esperança é confiar na incerteza, é planejar no vazio. A esperança que menciono é a confiança de que todas as coisas antes de se tornarem reais, passam pelas mãos do Artífice do universo. Ele é o Senhor do tempo, e a Ele pertence o futuro. Quero deixar que essa certeza me encontre nas encruzilhadas que eu insisto em construir. Eu confesso meu medo pelo fracasso. Esse meu temor me faz ser um planejador compulsivo. O resultado disso é uma frustração que encalha sonhos e sufoca o desejo de prosseguir.

É assim que encontro a mim mesmo: quando perco a esperança nas minhas expectativas. Dai vem a liberdade, quando morre a vontade de resolver aquilo que não me pertece. Então, reconheço o quanto Deus utiliza da minha fraqueza pra me apontar a verdadeira e única Esperança, que "dEle e por Ele, e por meio dEle são todas as coisas".

quarta-feira, maio 27, 2009

Biografia de formando (quem meus amigos dizem que sou)

Formando da turma de 2005 (de tras pra frente rs)

O Guto chegou de mansinho, como quem não queria nada. Nem no trote apareceu. Mas logo nas primeiras aulas com suas opiniões, já se mostrava um cara inteligente e pitaqueiro. Até que fez amizade com uns “malucos” que fundaram a Panela. Assim, partilhamos sonhos, expectativas e histórias. Nossas reuniãozinhas eram sempre regadas de muitas gargalhadas, aliás, em especial a sua gargalhada é única, inconfundível: sempre com uma piadinha ou resmungando. Era sempre bom assistir aulas lado dele, difícil era prestar atenção.

Antes apelidado de Cavalo de Fogo, assumiu os cabelos brancos. Virou o Geada. Nunca esqueceremos do dia em que o Guto chegou em sala com os cabelos grisalhos. Nesse momento tudo se esclareceu: achávamos que ele pintava os cabelos por prazer (o que a gente achava muito estranho). Rapaz debochado até sem perceber, teve a petulância de desmontar um celular durante a aula do professor mais bravo do curso sem causar qualquer irritação no homi.

A primeira vista, o Guto é extremamente sério, mas é só abrir a boca que lá vem zoação. Ninguém imagina que um ouvinte fiel do Los Hermanos pode ser tão alegre. É o melhor amigo do Google. Adora roupas em tons neutros, conhece todos os vídeos do youtube e canta no coral fazendo as maiores caras e bocas. Apesar da cabeleira branca, é super cabeça aberta e descolado. Sobretudo, o Guto é um cara sempre interessado nas pessoas, esteve ao lado daqueles que mais precisaram dele, até o ultimo momento. Ganhou fama por escutar as lamentações dos seus amigos bizarros. O terceiro andar do PVB que o diga: juntos, escorregamos no chão feito criança, derramamos lágrimas de agonia, e principalmente ficamos contemplando as bênçãos estéticas que Deus foi capaz de presentear o mundo.

Ao mesmo tempo, desenvolvia a sua “vida pastoral” na ABU. O Bianch conseguia se abrir para a vida universitária sem perder os seus valores, o que fazia admirados. Seu envolvimento com a ABU rendeu muita coisa, pois daí começou a criar uma amizade intensa com a Bárbara. Os Frávios incentivaram desde o início, mas a resposta dele era sempre a mesma: "É Amizade". O resultado já sabemos: o nosso amigo trocou o Bar do Leão pela casa da Bárbara e a companhia dela, deixando toda a panela feminina para trás.

E assim o Guto foi vivendo. Aprendendo, apesar dos cabelos brancos, que era possível conciliar a “alegria das coisas do mundo” com o “servir a Deus”. Sendo aquele amigo com o qual podíamos conversar sobre os temas mais profundos da vida e que sabíamos que nos despertaria para um olhar mais sensato sobre nossas decisões. Encanta-nos a cada dia com o resultado da união de contrastes que o fazem tão especial: a sensibilidade e a seriedade, a humanidade e o que há de sublime. Pessoa rara no mundo.


Escrito por: Luana, Talita, Luiz, Babi, Paulo, Mazinho, Raissa, Lucas, Jayme e João Henrique

segunda-feira, maio 11, 2009

Mesmo inspirando profundamente a "Inspiração" não vem.
Respiro, expiro, espirro e...
nada!
Vem apenas a reticente dúvida do que escrever.

É a sindrome da vontade de querer.

sábado, abril 25, 2009

O céu do outono


Deixo sair do meu peito as notas que surrupiam dentro de mim. A beleza que exala ao redor circucinda meus passos fatigantes. Mas deixo sair do meu peito. Porque são muiiitas notas. Mais que as sete. São tantas que rodopiam de tensão. É a vontade de viver que é grande, de tomar rumos fantásticos e reais. Tudo isso vira música quando exprimo meu desejo de ver beleza naquilo que ainda nem é. Minhas lamentações tornam-se vãs na imensidão de situações que tecem a realidade à minha volta. Sou pequeno, sou sujeito, sou alguém.

Complexo?

Deixo sair do meu peito as agruras que contrastam comigo. Também tomam forma de notas musicais. A dissonância delas causa perplexidade que assusta. Não me canso em deixar, permito-me sempre a chance da beleza encontrar-se com a dor, nem que seja na saída. Daí, o céu do outono parece um monumento eternizado sob minha cabeça. Então, vejo o que é realmente belo e me convenço!

Não é otimismo, é solidariedade comigo mesmo.

Sem mais!

sexta-feira, abril 17, 2009

O convite à mediocridade (Post inacabado 06/03/2007)

Vinde todos vós e deleitai-vos na vossa mediocridade!
Sejam como vocês sempre sonharam: mesquinhos e superficiais.
Busquem a facilidade e o conforto.
Procurem diligentemente a frieza nos relacionamentos!

Atentai às vossas fúteis necessidades.
Dinheiro, pouco trabalho, muita fartura.
Gastai naquilo que enriquece vossa soberba.
Esbanjai naquilo que não tem valor.

Vinde todos vós, cristãos de todas denominações.
Reforçai vossas consideráveis diferenças.
Atentai-vos pelos detalhes que desinteressam
Valorizem o suor gasto nas suas disputas vãs.

(...)